segurança da informação

 A segurança da informação e sua relação com o direito digital

Daniel Becker Postado em 31/10/2019

A tecnologia é marcada pela velocidade da comunicação. Diante desse cenário, o Direito teve que se adaptar a essas mudanças. Nesse sentido, a proteção das informações é uma grande preocupação dentro do mundo corporativo. Afinal, quanto mais aprimorado e desenvolvido for o escritório, maiores serão as chances de ele se destacar no mercado e captar mais clientes.

É aí que surge a importância de investir em ferramentas que garantem a Segurança da Informação. Afinal, qualquer ataque malicioso pode trazer problemas e prejuízos incalculáveis para o escritório. Quer saber como proteger os seus dados e evitar ser vítima de ameaças virtuais?

Este artigo abordará as principais questões envolvendo a Segurança da Informação e o Direito. Acompanhe!

O que é Segurança da Informação?

Segurança da Informação consiste no conjunto de métodos que são implementados com o objetivo de garantir a confidencialidade, disponibilidade e integridade dos dados que são produzidos e ficam armazenados em um determinado ambiente virtual.

A Segurança da Informação apresenta duas ramificações: a Segurança Cibernética e a Segurança Digital. Esse tema vem ganhando cada vez mais relevância, em virtude das constantes ameaças online que vêm atormentando organizações e escritórios. De fato, o número de ataques virtuais planejados por criminosos cibernéticos vem aumentando a cada ano.

Diante dessa situação crítica, se torna necessário que as equipes de TI estudem maneiras de reforçar a proteção e evitar os riscos de invasão e furto de dados. Só assim, os procedimentos internos corporativos poderão fluir corretamente e com o máximo potencial.

Qual é o objetivo da Segurança da Informação?

A Segurança da Informação tem o intuito de garantir que os dados, físicos e digitais, fiquem protegidos contra eventuais ataques externos. Diante desse aspecto, fica mais fácil entender que a Segurança Digital cuida dos dados digitais, enquanto que a Segurança Cibernética previne os ataques cibernéticos.

Muitas empresas e escritórios de advocacia costumam manter um banco de dados que contém informações pessoais, como balanço financeiro e patrimonial, cadastro dos seus clientes, peças processuais etc. Tudo isso é importante para organizar e sistematizar os arquivos da maneira adequada.

Qual é a importância da Segurança da Informação para o Direito Digital?

A atual era da informação se caracteriza pelo grande volume de dados produzidos e pela importância do conhecimento. Diante dessa tendência, o Direito não poderia ficar para trás. Nesse sentido, o Direito Digital é uma área que vem ganhando cada vai mais popularidade no mundo jurídico. Essa ciência atua regulamentando e controlando o conjunto de relações jurídicas que são desenvolvidas no ambiente online.

De fato, é um novo ramo do Direito que estabelece padrões e normas para regulamentar as interações que ocorrem no meio virtual. Além disso, é uma estratégia que busca prevenir, coibir e penalizar as condutas mal intencionadas de cibercriminosos.

Como se trata de um segmento jurídico recente, ainda não existem muitas legislações tratando do assunto. O Marco Civil da Internet ainda é considerado como a principal lei que regulamenta o uso da internet no Brasil — garante direitos e prevê punições em caso de cometimento de crimes.

O que é a segurança cibernética?

A Segurança Cibernética é um conjunto de práticas que visam proteger as informações que estão localizadas em computadores, internet, dispositivos móveis e outros meios, contra a ação de ataques cibernéticos.

Os ataques organizados por hackers são riscos inerentes em praticamente todo tipo de rede. No entanto, é possível utilizar mecanismos para prevenir essas ações e evitar que terceiros mal intencionados acessem os dados de forma inadequada, causando instabilidades e prejuízos para o sistema.

Para evitar isso, a equipe de TI tem o dever de desenvolver mecanismos de proteção que identificam brechas e monitorem os sistemas para identificar possíveis falhas, e também emitir relatórios específicos com o objetivo de alertar e prevenir os ataques.

Como proteger o seu escritório contra ataques maliciosos?

Confira algumas ações que são colocadas em prática com o objetivo de conferir maior segurança cibernética ao Direito:

  • Firewall: protege a rede contra ataques externos, em regra, impedindo o acesso de IPs não autorizados;
  • Webfilter: cria políticas de segurança, gerencia o acesso de usuários e protege os computadores que fazem parte da mesma rede contra vulnerabilidades;
  • VPN e Voucher: são uma espécie de caminho seguro que liga a rede e os usuários externos. É importante para controlar e monitorar os visitantes que acessam a rede;
  • Antivírus: software que inibe e combate ataques, protegendo o computador;
  • Backup: ferramenta que cria cópias digitais de arquivos com regularidade e evita a perda dos dados em caso de pane no sistema.

O que são ataques cibernéticos?

Os ataques cibernéticos são ações organizadas por cibercriminosos que buscam obter vantagem indevida por meio da identificação de vulnerabilidades na rede. Seu intuito é de efetuar a invasão nos sistemas e furtar dados armazenados nos servidores.

Os ataques cibernéticos podem ser divididos em várias categorias:

  • vírus: programa malicioso ou código que, quando executado, tem o poder de roubar senhas, corromper arquivos do sistema e destruir dados;
  • worms: ameaça que infecta a máquina e destrói arquivos. Eles têm o potencial de serem difundidos sem nenhum tipo de ação do usuário final, diferente dos vírus;
  • adware: redireciona as pesquisas do navegador para sites semelhantes e potencialmente nocivos, contendo publicidade maliciosa. O objetivo é acessar dados sensíveis dos usuários, como as senhas de banco;
  • ransomware: software que codifica os dados do sistema e bloqueia o acesso de usuários. Em troca do resgate dos dados e o reacesso ao sistema, os criminosos costumam pedir altos valores;
  • cavalo de troia: malware que fica oculto em programas que parecem inofensivos, e tem o objetivo de recolher dados de usuários e controlar todo o sistema do computador;
  • Spyware: software praticamente invisível que causa danos à máquina e possibilita o acesso remoto para os hackers, permitindo a espionagem e a coleta de dados dos usuários, como senhas de contas bancárias e dados de cartão de crédito.

Como você pôde perceber, a Segurança da Informação e a Cibernética estão presentes na rotina de um escritório de advocacia de maneira significativa. Desse modo, o advogado que deseja otimizar o seu trabalho e se destacar no mercado deve investir em ferramentas eficientes para conferir proteção e evitar prejuízos em sua rotina.

Entendeu como é importante contar com ferramentas que garantem a Segurança da Informação para o seu escritório? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais e mantenha seus colegas bem informados!

Torne-se protagonista. Seja um New Lawyer
Fique por dentro de como o Direito está mudando no Brasil e no Mundo.
Receba nossa Newsletter.